Brasil lança Rede Global de Segurança Alimentar para integração entre ensino, pesquisa e extensão

A Rede trabalhará para a construção de medidas de segurança alimentar nos países em desenvolvimento e a promoção do compromisso global com a nutrição.

Nos dias 12 e 13 de abril representantes do Governo brasileiro, da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e pesquisadores de diversos Estados e países, uniram-se para o lançamento de uma Rede de trabalho para a Segurança Alimentar e Nutricional.

O encontro aconteceu no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) em Manaus, e contou com a participação de pesquisadores da África, América do Sul, América do Norte, Ásia, Oriente Médio e Europa.

O grupo denominado  Rede Global de Ensino, Pesquisa e Extensão em Nutrição, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional, tem por objetivo distender ações voltadas para a implementação da agricultura familiar e a soberania alimentar em países em desenvolvimento, reforçando-os no compromisso com a nutrição.

O intuito é estimular a cooperação através do partilhar das experiências de políticas públicas bem sucedidas na área da segurança alimentar e nutricional em diversos países, somado ao conhecimento técnico e científico.

De acordo com o Coordenador-Geral de Cooperação Humanitária e Combate à Fome (CGFOME) do Itamaraty, Ministro Milton Rondó Filho, "A criação da Rede de Instituições de Ensino, Pesquisa e Extensão representa uma conquista importante na proteção, promoção e provisão do Direito Humano à Informação no campo do ensino, pesquisa e extensão sobre soberania alimentar e nutricional. Deverá permitir aos membros da rede usufruírem de informações acadêmicas e saberes tradicionais em pé de igualdade. Essa rede, parte do compromisso brasileiro assumido no âmbito da Iniciativa "Nutrição para o Crescimento", deverá ser complementada por duas outras, voltadas aos parlamentares pela soberania e segurança alimentar e nutricional e pelos operadores do direito pela soberania e a segurança alimentar e nutricional."

No primeiro momento, foram apresentadas experiências em diversas regiões e o mapeamento de demandas temáticas, políticas públicas e mecanismos de difusão e transferência do conhecimento em segurança alimentar e nutricional. Em seguida, mecanismos de organização e interação das redes nacionais, regionais e globais foram expostos pelos presentes, com o objetivo de desenhar uma forma comum de operacionalizar a criação da Rede.

Após os diálogos, o documento Carta de Manaus foi elaborado com o objetivo de firmar o compromisso (versão em português e versão em inglês). A Carta contém as diretrizes que servirão como base para direcionar políticas públicas em segurança alimentar e oficializa a criação da Rede Global de Ensino, Pesquisa e Extensão em Nutrição, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional.

O intuito é estimular a cooperação através do partilhar das experiências de políticas públicas bem sucedidas na área da segurança alimentar e nutricional em diversos países, somado ao conhecimento técnico e científico. Para tal, foi criada uma comunidade online chamada "NutriSSAN: N4G Global Network / Rede Global de Ensino, Pesquisa e Extensão em Nutrição e SSAN” na plataforma socialprotection.org. A comunidade foi desenhada para ser um espaço inicial de interação entre todos e divulgação de informações, referências, documentos e eventos tocantes à agenda temática da Rede (Nutrição, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional). Esta é uma comunidade destinada à participação inclusiva e em prol da diversidade, portanto aberta a qualquer pessoa que queira se inscrever. Veja aqui o passo-a-passo para entrada na comunidade NutriSSAN (composta por dois momentos: primeiro, a inscrição na plataforma online; e depois a inscrição na comunidade online).

Peter Rodrigues, vice-diretor do Centro de Excelência contra Fome do Programa Mundial de Alimentos (PMA), afirmou que “O mundo produz comida suficiente para alimentar toda a população, o que falta é termos nutrição adequada para todos”. Rodrigues explicou a importância da cooperação entre países como um dos principais caminhos para alcançar a segunda meta dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que se refere ao combate à fome e desnutrição.

A Rede é resultado de um processo de engajamento político iniciado nas Olimpíadas de Londres em 2012, no âmbito da iniciativa N4G - Nutrition for Growth (Nutrição para o Crescimento), que prosseguirá durante as Olimpíadas do Rio, este ano, e do Japão em 2020.

O evento foi organizado pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE), através da Coordenação-Geral de Cooperação Humanitária e Combate à Fome, em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), por meio da Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social (Secis), o INPA e a Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp) e a FAO.

Fontes: ONU BRASIL e INPA.

Share